Passer au contenu

Pays

Gruz, Laurent - SE 2010 Armagnac, o gigante esquecido (2010)

translation missing: fr.product_price.price.original €15,00 - translation missing: fr.product_price.price.original €15,00
translation missing: fr.product_price.price.original
€15,00
€15,00 - €15,00
translation missing: fr.product_price.price.current €15,00
translation missing: fr.product_price.price.tax_line_html

SE.2010 Armagnac, o gigante esquecido (2010)

Por Laurent Gruz

www.livres.aero

Uma aeronave de quatro motores de transporte público com cerca de 100 assentos, o SE 2010 Armagnac permanece, com um peso máximo de 77 toneladas, a maior aeronave de projeto puramente francês. Projetado e fabricado pela Société Nationale de Constructions Aéronautiques du Sud Est (SNCASE) em Toulouse, é o ancestral direto de Caravelle e Concorde, da qual descende o Airbus.

Lançado em maio de 1945 como capitulado pela Alemanha nazista, o Armagnac seria a aeronave de longo curso da aviação comercial francesa renascida. Um formidável desafio técnico em um país que estava lutando para se recuperar de uma terrível derrota seguida de uma ocupação devastadora, foi um amargo fracasso comercial. Nenhuma companhia aérea deveria comprá-la, nem mesmo a Air France, para quem a SE 2010 foi projetada especificamente e que preferiu a Lockheed's Constellation. A ordem inicial de cinqüenta unidades foi reduzida várias vezes e apenas nove estruturas de ar foram realmente concluídas.

Esta decepção, entretanto, mascara um inegável sucesso técnico. Os engenheiros da SNCASE haviam conseguido, apesar das mil dificuldades e da perda acidental do protótipo, projetar e depois desenvolver a maior aeronave de transporte civil de sua época. Após serem avaliadas por uma empresa independente, a Transport Aériens Intercontinentaux, as sete aeronaves de produção foram confiadas ao que pode ser considerado a primeira empresa francesa de fretamento, a SAGETA.

Os Armagnacs tornaram possível a realização de uma ponte aérea com a Indochina, antes de atender às numerosas necessidades de fretamento de empresas francesas, principalmente - ironicamente - para a Air France. Eles foram assim para todos os continentes, com a notável exceção da América do Norte, embora tenham sido projetados para atravessar o Atlântico. Os SEs 2010 serviram até o final de 1958, expulsos de serviço pela chegada dos jatos, incluindo a Caravelle, sua herdeira direta.

O livro traça a história do programa, colocando-o em contexto. O desenvolvimento e o desenvolvimento do programa são descritos exaustivamente graças a relatos e arquivos não publicados. A operação é então recontada em detalhes, primeiro no TAI e depois no SAGETA. O autor também descreve o uso do segundo protótipo transformado no banco de testes voadores SE 2060 para avaliar os novos motores da SNECMA. Os apêndices incluem uma lista de produção e uma descrição técnica completa.

199 páginas - em francês