Passer au contenu

Pays

Abrami, Léon - O caso dos aeródromos de Saint-Etienne (1930)

translation missing: fr.product_price.price.original €4,00 - translation missing: fr.product_price.price.original €4,00
translation missing: fr.product_price.price.original
€4,00
€4,00 - €4,00
translation missing: fr.product_price.price.current €4,00

Onde um dos antepassados do Grupo Safran é acusado - erroneamente - de desvio de fundos.

Em 1929, o ministro francês da aviação, Laurent Eynac, encorajou os fabricantes de aviões franceses a mudarem as suas unidades de produção para o sul, longe da fronteira alemã. Em caso de hostilidades, é necessário preservar o abastecimento dos exércitos. Daí a importância de Toulouse e Bordeaux no panorama aeronáutico francês.

Entre as empresas visadas por este programa estavam a Gnôme e Rhône, na época um dos maiores fabricantes de motores do mundo. Gnôme et Rhône tinha enviado engenheiros e prospectores para as regiões de Bordeaux, Marselha e Nevers, quando por acaso um banquete do Aero-Clube reuniu o Ministro e o Senador de Saint-Etienne na mesma mesa.

Em 1928, a cidade de Saint-Etienne tinha adquirido uma promessa de venda de dois terrenos: ofereceu-se a Gnôme e Rhône para comprá-los.

Imediatamente, a oposição política apreendeu o caso e tentou montar um grande escândalo que levou a um processo judicial. Gnôme et Rhône é acusado de se enriquecer indevidamente à custa dos seus accionistas e do contribuinte francês. Cartazes, brochuras e jornais mencionam desfalques de mais de cem milhões de francos na altura.

Um apelo de Léon Abrami (advogado e político) suficientemente interessante para justificar sua publicação: reproduz a atmosfera das instituições políticas da época e contém, entre outras coisas, um belo verso sobre o paternalismo operário em 1930.

No final, Gnome et Rhône não irá para Saint-Etienne. A empresa manterá as suas instalações de produção em Paris, Argenteuil e Gennevilliers. Só o escritório de design irá para Limoges.

116 páginas - em francês